• Publicado a Dezembro 1, 2020
  • Partilhar

Na passada sexta-feira apresentámos oficialmente a candidatura de Braga a Capital Europeia da Cultura 2027. Numa Sessão Pública emitida online, o Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, recebeu como convidados Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, e Alberto Núñez Feijóo, Presidente do Governo Regional da Galiza, tendo ambos manifestado o seu apoio à candidatura bracarense. Cristina Farinha, Membro do Júri Internacional de Seleção e Monitorização da Capital Europeia da Cultura, foi a terceira convidada desta sessão, trazendo para o debate o impacto e importância deste título para a futura cidade vencedora.

Na sua intervenção, Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, partilhou recomendações e lições de uma cidade que foi já Capital da Cultura (em 2001), com foco na importância das infraestruturas e acessos e de uma identidade forte de cidade que prevaleça ao longo de todo este processo.

Alberto Núñez Feijóo frisou a ligação histórica entre Braga e Galiza e a importância que a cidade de Braga tem para o povo galego. Também mencionou a importância do ano 2027 na Euro-Região Norte de Portugal – Galiza: Ano Santo e Capital Europeia da Cultura em Braga, caso a cidade saia vencedora.

O conceito de Espiritualidade também esteve no centro desta sessão. O Presidente do Governo Regional da Galiza referiu os Caminhos de Santiago como exemplo desta dimensão espiritual dos territórios. Para Alberto Núñez Feijóo, a “Espiritualidade é o encontro consigo mesmo, não está ligada a nenhuma religião. É pegar numa mochila e percorrer um caminho, atravessando momentos de reflexão.”

Cristina Farinha, Membro do Júri Internacional Seleção e Monitorização Capital Europeia da Cultura, trouxe a perspetiva do “outro lado” do processo de candidatura, falando das oportunidades que este processo pode trazer à cidade de Braga, mencionando que o processo não tem resultados imediatos, mas deve ser visto como motor do desenvolvimento. Para Cristina Farinha, esta estratégia não deve ser encarada como um projeto da Câmara mas como “um projeto de todos os cidadãos, uma força viva”.

Pode rever a Sessão Pública aqui.

  • Publicado a 1 de Dezembro, 2020
  • Partilhar